segunda-feira, 1 de junho de 2009

Síndrome do Patinho Feio

A partir de experiências pessoais, resolvi falar deste assunto que é tão conhecido por nós: a Síndrome do Patinho Feio. Quem já não passou por essa fase, que atire a primeira pedra! Toda mulher que se preze, já se encontrou nesse momento ou não? Você olha no espelho e não gosta do que vê, nada combina com nada, não adianta trocar de roupa mais uma vez, não tem jeito. Todo mundo já se sentiu assim?

Particularmente, digo que meus dias de patinho feio foram na infância/adolescência. Eu não era do tipo que os garotos faziam fila, nem era disputada. Quando falavam de mim, não citavam adjetivos ligados a beleza, era sempre a menina legal, inteligente e blá blá blá. Desde os 6 anos de idade uso óculos, o que já não ajudava muito adicionado ao meu rosto redondo de oriental, mas fazer o que né?! Eu me sentia mal comigo mesma, queria ser disputada pelos garotos (hahaha), queria receber elogios e me ver bonita no espelho, coisa que não acontecia.

Li a seguinte frase na internet: "Às vezes, a timidez é causada por um sentimento de inferioridade, que surge devido a um defeito físico real ou imaginário e leva à insegurança diante das outras pessoas."

Isso é parte da tal síndrome. A gente sempre acha que tem defeitos, que a boca é carnuda demais, que o nariz é muito pontudo, que o umbigo é estufado, que a orelha é de abano e por aí vai... Mas porque nos sentimos tão inferiores? Por que o espelho torna-se um inimigo? Na minha opinião, o conceito beleza foi estereotipado; desde cedo aprendemos que mulheres bonitas são as altas e magras, com cabelos lisos, estilo topmodel. Não cultivamos a 'beleza interior', a aprender a gostarmos de nós mesmas, a olharmos nossos pontos fortes e valorizarmos isso. Não, queremos nos transformar nas Giseles da vida.

A Síndrome do Patinho Feio atinge 5 em 5 mulheres, mas só 3 conseguem se autoafirmar e vamos dizer assim, se enxergar como cisnes. Digo por mim que ontem, me vi numa situação em que olhei pra mim e me senti tão bem. Lembrei da época em que me achava feia (não que eu tenha ficado linda, ahá), que achava que eu só deveria usar aquelas roupas big folgadas, já que não tinha corpo definido, que não me sentia bem com quem via no espelho. Tenho meus poucos 18 anos de idade, mas hoje digo com clareza e sem dúvidas que patinho feio nunca mais!!

Então, se você se sente/sentiu assim, te digo: Queridona, qual a importância disso tudo? Olhe pra dentro e se goste, se cuide. Sinta a autoestima pra lá de bagdá, mesmo se aqueles quilinhos ficarem pendentes na balança, ou por qualquer outro motivo (real ou imaginário). Se ame sempre! É o que nos cura...


__________________________________

13 comentários:

Giselle disse...

Youko,
parabéns pelo post adorei ...
Bom, eu tive sim minha sindrome de patinha feia, aff minhas amigas era lindas, e eu me acahva horrorosa, por Deus, vivia em dieta e eu era magra e não sabia, kkkk
Conseguia vestir as roupas das minhas amigas mas me achava gorda, até que um belo dia, não sei porque, nem onde e nem como eu percebi que eu era bonita sim, apenas qdo estav com as minhas amigas não me destacava tanto pois todas nós éramos lindas juntas hehehehe
Cada um com o seu tipo de beleza, rs...
Mas, até hj eu me sinto uma Patinha Feia, mas basta eu colcoar uma roupa binita e fazer uma mega maquiagem que eu me sinto bem, rs...
Beijos lindas e bela semaninha para vcs

Kanna disse...

Adorei o post! Aliás, estou adorando o blog todo!
Vocês estão citando assuntos bem legais, e eu gostei especialmente desse, o "patinho feio"!

Jehh disse...

Sabe que até hoje eu me sinto um patinho feio? :S
Tem dias que me olho no espelho e falo "Menina, se eu não fosse você eu te pegava (H)"
Mas tem outros...
O pior de tudo é que eu nao me sinto assim por ser gorda ou baixinha!
(Ta, baixinha talvez)
Eu me sinto muito magrela e sem peito!
o problema é que NAO CONSIGO ENGORDAR!
Acredita nisso? Todo mundo querendo emagreçer e eu engordar!
tcs tcs tcs
Felizmente essa faze mais aguda eu deixei pra tras, agora com 17 as coisas mudam um pouco! GRAÇAS A DEUS!
hahaha

Küsse :*

Dani disse...

Oi meninas
Tudo bem?
Pois é nunca me sentí patinho feio. Não sou nada maravilhos anão..hahaha
Mas, hoje, adulta e tal ando me sentindo bem patinho feio mesmo.
São muitas cobranças e tal..
Enlouquece!
Beijãooo

Dani faxina

*Lusinha* disse...

Também acho que todas nós mulheres já passamos por essa fase. E, a maioria, na adolescência.
E minha síndrome foi das brabas, é só comparar minhas fotos de antigamente com a pessoa que sou hoje: não tem um que não diz que eu não melhorei. Faz um bem pro ego. ;)
Bjitos!

Anônimo disse...

Oiiiii!
Quando eu tinha meus 14 anos, eu era um pouco feinha, até tinha os traços bonitos mas era muito desengonçada, usava um oculos estranho e torto, meu cabelo usava chapinha e ficava muito rececado e oleoso, não sabia me produzir como as outras meninas,odiava maquiagem e usava poucos acessorios e tbm era super branquela - isso em 2007. Ngm nunca falava que era bonita, além de tudo isto era timida, alguns diziam que eu era feia e tals. O que me causou uma depressão enorme no meio de 2008, tive que parar de estudar, mas foram outros fatores tbm além da sindrome do patinho feio.
Então minha mãe vendo eu triste, resolveu fazer uma transformação em mim, primeiro passo foi tirar o oculos e usar lentes de contatos, melhorei 60%, aí começaram os elogios das pessoas desconhecidas e conhecidas, depois comecei á usar maquiagem, mudei o guarda roupa, cortei meu cabelo, depilei o sombrancelha e decidi ser loira, mas resolvi continuar branquela, e tbm mudei minha postura e tals, era super atenciosa e quase uma dama.... Nossa, quase todo mundo começou á me elogiar, meninos bonitos queriam ficar comigo, até minhas amigas falaram que eu mudei demais e fiquei bonita... eu me afastei de todos por causa da depressão mas quando voltei...todo mundo se encantou. Consegui até entrar em um curso de modelo, o que me deixa meio confusa e que algumas pessoas ainda me reconhecem, mesmo depois da transformação! Mas as vezes ainda fico triste de lembrar do passado, e fico tão depremida e me acho feia até... mesmo ouvindo elogios de pessoas na rua e tals, me acho feia, mas aí depois vejo que transformações acontecem e que o patinho feio virou um cisnei!

Varias famosas tbm se transformaram como Aline Morais, Avril Lavigne, Claudia Leite, Nicole do PCD e etc... Que hoje são lindas mulheres... Vejo minha historias nestas celebridades!

Mas é normal se sentir com a sindrome mesmo depois de se ter transformado para melhor??? ainda me pergunto

Adorei o seu blog, queria que vc comentasse mais sobre o assunto...E que achou da minha historia?

bjosss, adorei o seu blog!

Anônimo disse...

bom comeco

Anônimo disse...

nunca me senti tão feia,tenho 14 anos,uma hora me acho bonita,outra me acho a pessoa mais feia do mundo,esses momentos de me achar bonita estão ficando cada vez mais raros,não sei o que fazer,talvez eu fique mais bonitinha daqui a um ano,vo colocar aparelhos dentes para ficar mais bonitos,afinal de contas pior que tá não fica!

Anônimo disse...

Me identifiquei muito com isso. Passo por isso agora. Qnd falam de mim é só a menina inteligente, nerd, ... Isso me deixa mal, queria q eles falassem "ah, sabe aqla menina bonita?" Mas isso parece ser impossível. Ano passado tive depressão e engordei 8 kg. Isso só piorou, fujo de flashs, não saio com os amigos, roupas largas sempre... Esses dias, falando com um amigo q não via a tempos no fb, disse "lembra se mim? Sah." "Ah, a menina q só tira 10?" POXAH. A MENINA Q SÓ TIRA 10? :P Minha psiquiatra disse q eu devo pensar q beleza não leva ninguem a lugar nenhum, mas a inteligencia sim. E q eu devo me sintir linda, para os outros me verem linda.
Bjs: Sah ;)

Anônimo disse...

Quando eu era mais nova (uns 14 anos), eu me achava bonita, as pessoas também, me elogiavam e diziam que eu parecia mais velha. Mas na realidade, nunca me importei com isso. Hoje tenho 17, e minha auto-estima está muito baixa, quando me olho no espelho só vejo defeitos, e não tenho um "corpaço" como as meninas de hoje em dia.. Olho para meninas de 12 anos e vejo que elas têm mais corpo que eu! Hahahah isso é frustrante!

Esther disse...

Oi! Bom, meu nome é Esther e tenho 14 anos. Ando lendo em vários blogs e sites de psicologistas sobre depressão, auto-estima, insegurança, timidez, personalidade perfeccionista... E por incrível que pareça, parece que me relaciono com todos esses problemas, acho que um encadeia o outro.
Olho para o espelho e não consigo me ver bonita! Lá nos meus oito, nove anos, eu não ligava, vestia qualquer roupa, com qualquer maquiagem, eu era eu mesma. Agora, tento lidar com pensamentos do tipo: "Não vou nessa festa, pois minhas amigas são tão bonitas, e todas elas vão estar lá!". Quando eu olho para o espelho é mais ou menos assim:"Você é tão feia. Eu tenho dó de você!". Olho para mim e começo a chorar, já dei até tapas no meu próprio rosto (escrevendo assim, é constrangedor).
Outro problema, é que, quando chego por exemplo, em um restaurante, sinto minhas bochechas queimarem, e escondo atrás de quem estiver comigo. Não sou capaz de pedir alguma coisa sozinha para uma pessoa desconhecida, etc.
Deixo de comprar lanche para a escola, pois guardo aquele dinheiro pensando em um aplique novo que poderei comprar, ou uma maquiagem. Muitos pensamentos como "preciso ser bonita para ser aceita" me tormentam!Tenho o cabelo ralo, coloquei aplique. Tenho as unhas fracas, coloquei unha postiça. Tenho muita espinha, fui numa dermatologista, e atualmente estou tomando roacutan. Sou loira, e agora quero pintar meu cabelo de castanho (mesmo as minhas colegas falando que loiro é lindo, eu simplesmente não acredito e acho que oque eu tenho, simplesmente não combina). Agora estou achando minhas bochechas gordas, e estou buscando exercícos na internet para emagrecer a bochecha.
Estou obsessiva em ser bonita! Quando arranjo uma coisa, olho para mim e vejo outro defeito.
Não aproximo de pessoas em certo dia, pois naquele dia estou com roupas feia, e até fujo dessa pessoa.
Deixo de ir em lugares importantes pois estou me sentindo feia naquele dia.
Já tive pensamentos de suicídio depois de me olhar no espelho.
Irei procurar um psicologo, e tentar fazer toda essa fase passar de uma vez.
Beijos, adorei seu post!

Anônimo disse...

Sabe, eu sofro com isso desde meus 13 anos. Antes, eu nem ligava muito para aparencia, na verdade, minha mente era de uma criança, não ligava para meninos, só queria brincar e sair com minhas amigas. Só que, aos 13 anos, comecei a ligar para aparência, pois estava na época de "perder o BV" e todos na minha turma estavam ficando, namorando etc.
Eu comecei a me achar feia, eu tinha as sobrancelhas grossas (nunca tinha feito elas), meu cabelo era ondulado e volumoso (parecia uma juba) e eu nunca havia usada maquiagem. E isso, infelizmente, fazia com que meus colegas zoassem de mim.
Depois disso, comecei a me olhar no espelho e me odiar, mas me odiar de um jeito horrível, eu começava a me bater e gritar quando estava sozinha. Era um pesadelo, pois eu odiava tudo em mim, odiava meu nariz, o achava muito grosso na ponta, minha boca era muito esquisita, e achava meu rosto muito grande, bolachudo. Eu chegava a chorar horas e horas na cama, tinha dias que eu não conseguia nem sair de casa. Tinha vezes que eu cogitava fazer umas 5 plásticas, de tão insatisfeita que eu estava.

Com o tempo, fui aprendendo que na vida tudo tem um jeito. Comecei a fazer as sobrancelhas, aprendi a controlar meu cabelo e hidrata-lo, e comecei a usar maquiagem.
Acho que com a idade as coisas mudam, nossos pensamentos mudam, nós amadurecemos e com isso aprendemos que a vida não é só essa superficialidade. Se me acho feia ainda? As vezes sim, mas sempre que chega aqueles dias de recaída, eu começo a pensar coisas positivas, penso nas minhas qualidades e tento ocupar cada vez mais a minha mente. E funciona, as vezes, não vou mentir.

Eu sempre me perguntava porque eu achava qualidade em todo mundo, achava todos bonitos, mas quando era comigo, eu me odiava, me considerava a pessoa mais feia do mundo.
E acho que isso se dá porque eu não me valorizava, não me amava, e se não aprendermos a nos amar, fica difícil esperar que alguém faça o mesmo por nós.

Cinthya Raquel disse...

Oi, oi. Desde meus 12 anos ou menos eu me sinto feia. Praticamente tudo eu acho feio em mim: meu nome, meu quadril (que é muito largo), os pelos, meu cabelo, as sobrancelhas, as espinhas e as manchas (o que eu odeio mais). Poucas coisas eu acho bonita em mim: meus olhos, minha boca, meu nariz e minhas mãos. Minha auto-estima foi pro brejo nesses últimos anos: complexo, bullying, humilhação, e abuso sexual. Tudo foi se acumulando ao longo dos anos em que eu me mantive sofrendo calada, mas esse ano eu não aguentei mais e "explodir". Já estava morando longe dos meus pais a uns cinco meses, porque tinha que termina a escola em São Paulo para ir pra fora da cidade. Eu estava super empolgada com o ensino médio, estava planejando fazer vários amigos e arranjar um namorado, mas como sempre meu plano deu errado, começando pelo fato de eu não ter "caído" na sala das minhas amigas. Cada uma foi pra um lado, mas todas tiveram a sorte de ter "caído" na sala onde tinha a maioria do pessoal antiga escola, já eu não. Eu odiei a sala em que eu cair e pedi pra minha mãe me mudar de sala, lógico pra uma que tenha uma amiga minha. Não deu certo também, a diretora não permitiu. Então eu aguentei o máximo que eu podia. Eu ficava com inveja das minhas amigas fazendo amizade e contando como era a sala delas, era mais divertido que a minha. Ninguém conversava comigo, eu tentava chegar perto deles mas eles já tinham seus amigos, então eu desisti. Já na primeira semana eu já tinha faltado duas vezes. Na outra três. Na outra eu nem ia mais. Em um mês eu já tinha faltado umas doze vezes (multiplique por seis). Tudo para fugir daquela rotina solitária. Ninguém chegava e conversava comigo, eu tentava mais não davam oportunidade, tentei até fazer amizade com os professores mais nada também, eu era a excluída. Eu sentava perto dos grupos para tentar papo mas pulavam uma cadeira e ficava o vão. Desisti outra vez, se eu forçasse a barra ia ser pior. Eu já acordava chorando porque tinha que ir pra escola. Eu ficava deitava chorando e pensando que eles não conversavam comigo porque eu era feia, tinha espinhas demais e eles tinham nojo de mim. Dois meses faltando, só indo uma vez por semana. Minha mãe decidiu me levar da próxima, eu surtei. Chorei na frente dela dizendo que não iria, chorei, chorei e chorei. Eu lembro do olhar da minha mãe, era pena. Então minha mãe foi para casa. Nesse dia eu tinha desistido da escola. Se ninguém chegava perto de mim porque eu continuaria a estudar? Se eu fui a excluída porque eu participaria de uma aula? Se eu sou feia porque continuaria a viver? Com muito esforço eu ainda ia pro curso, mas faltava na maioria das vezes, cheguei a faltar um mês, quando minha amiga me viu quase chorou, disse que todos estavam perguntando de mim na escola e no curso (desisti semanas atrás do curso). Ué agora eu tinha importância? Eu estava cada vez caindo em um buraco que se chavama depressão, não comia direito (só guloseimas), engordei, não escovava mais os dentes, não penteava mais o cabelo, chorava com mais frequência, não saia nem sobre tortura de casa, cheguei até a me cortar, confesso que ainda estou nesse buraco, mas estou melhor que antes, mas ainda sim não tenho coragem de sair de casa. Eu me afundava cada vez mais, e todos já estavam ficando preocupados, até gente que eu não tinha muita intimidade começou a orar (eles são da igreja e amigos da minha tia) para eu saísse  dessa, porque se eu não saísse eu iria me matar, eu já estava além do meu psicológico, ainda estou, ainda penso em me matar, mais menos que antes bem menos, eu dei uma chance pra mim, mesmo que seja só 10% dela, pesquisei sobre tudo, comecei a ler posts sobre autoestima, autoconhecimento, auto-confiança, complexos, depressão, marquei médicos em diferentes áreas, até psicólogo, vejo vídeo palestras sobre isso. Ainda falta 90% de pregresso pra minha recuperação. Ainda me sinto feia e nojenta, mas mesmo assim prefiro espantar esses pensamentos e evitar me olhar no espelho para eu não ter uma recaída.